13 de fev de 2013


Estou triste, muito triste.
Não tenho forças nem coragem para voltar o Inglês.
Motivo: Aquele ainda. É aquele,  e ainda.
Sabe quando vc pensa que passou? Pois é... não passou.
Revirei meu material e veio a forte lembrança. Doeu. Chorei.
Meus dias estão exaustivos. Pensa em dias cheios de stress. Multiplique por 10.000. É assim que eles estão. Não sou forte nem corajosa, sou ao contrário, fraca e cuzona.
Me olho no espelho e tenho vontade de esmurrá-lo com muita força até matar meu reflexo nele. Como posso ser desta forma? Idiota, medíocre?
Minha vida social está uma droga. Não tenho feito nada, apenas sinto vontade de dormir, dormir e dormir. Perdi pessoas do meu convívio, que Deus, como eu gostava deles. Eu me sentia bem ao lado deles, só que por motivos que não sei quais, se afastaram. FODA-SE.Tudo muito estranho, tudo muito confuso.
Eu queria me fechar em um lugar e conversar com as paredes. Elas tem ouvido, não tem? Então. Esta é a minha vontade. Sei que não terei respostas, mas pelo menos “alguém” me ouviu e guardou para si e não riram de mim.
“Rachel, você é louca?”
Se não sou, eu estou ficando.
No trabalho, está tudo fora do eixo. Estou me sentindo uma inútil, parece que nada rende, nada acontece. E o que eu penso estas horas é: Minha mãe sempre foi uma excelente profissional, trabalhou apenas em 2 lugares, dois hospitais. Mas cada um deles mais de 05 anos, e teve suas premiações. Meu pai, era cheio de troféus do melhor profissional,  e eu? Cri...cri...cri.
Eu não penso em mim, só nos outros e me FODO. Hoje mesmo tenho certeza que muita gente vai dar cano no trabalho, e vai passar. Eu queria ser assim despreocupada. Não consigo. O que mais me incomoda não é o fato de  vir trabalhar no dia em que o Brasil está parado, e sim o fato de não conseguir sacanear  como as outras pessoas fazem. Sou uma besta. Sou boazinha demais, sou tão boazinha que chego a ser otária.
Mas enfim, tenho que continuar. Como? Assim, deixando a vida me levar.

12 de fev de 2013

Pensamentos e sentimentos que sufocam.


Mais uma vez, começo um post de um jeito e vou terminar de outro. 
Tantas coisas que preciso colocar para fora que, eu me perco em tantos sentimentos.
Um deles é o sentimento de ser um zero à esquerda.
Sim é assim que me sinto agora, um zero à esquerda.
30 e poucos anos e não sou formada em nada. Mal falo Inglês ( coisa que eu adoro), não viajei no carnaval, não saí com amigos e amigas, minha vida sentimental é uma piada.
Piada bem sem graça diga-se de passagem.
Eis que recebo uma msg via Facebook que diz: 
"Chel, nos dias que estou triste, vou à sua página e dou gargalhadas com suas loucuras, seus posts."
Pois é. Eu divirto os outros. Não consigo divertir a mim mesma. Sou engraçada? Tá isso faz parte de mim.
Talvez seja uma válvula de escape, uma máscara. Há poucos dias "comemorei" um ano que um simples "oi" me deixou arrasada. Seria o ultimo pessoalmente. Doeu. E ainda dói só de lembrar. Sim ainda dói e muito.
"Aaahhhhh Rachel, para com isso! Parte para outra!!!!" 
Fácil falar né? Principalmente quando se tem alguém disponível pra vc na esquina debaixo da sua casa.
"Ahhh Rachel, para de drama..." Drama??? Um pouco.
Eu estou sendo torturada por turbilhões de pensamentos e sentimentos.
E então decidi viver um pouco mais. Decidi que este ano ia fazer coisas que eu gosto com mais frequencia.
Fiz? Não. Estou para colocar minhas unhas de porcelana há 3 meses e não coloco.
Já decidi o que quero fazer no meu cabelo, mas já me disseram que ficará esquisito, já desisti de mudar esta merda também.
Eu tinha planos de ir à exposição "Esplendores do Vaticano", mas a grana deste mês mal deu para pagar as contas e comprar uma bota.
No trabalho, estou me sentindo a mais inútil das funcionárias. 
E se eu for falar "do coração..." dá medo.
Muita das vezes me pego imaginando situações que eu gostaria de viver. Mas logo vem uma voz do além e diz: "Para já com isso, esquece. Não é pra vc."
Coisa de louco né? Mas não é não. Eu ouço isso mesmo.
E esta mesma voz me faz desejar que uma tragédia aconteça, na vida de uma pessoa.
Que tragédia é essa, conto-lhes: Chego a desejar a morte de duas pessoas inocentes. 
E para que? Porque? Em nome de um sentimento chamado atração física. Português bem claro e escrachado? TESÃO.
Está tudo errado. E se isso acontecer, quem garante que eu vou ficar no lugar desta pessoa?
Difícil. O que há de errado comigo? 
Sinceramente eu não sei.

Assim, vou vivendo.