24 de mai de 2016

Ok! Ok. One more time.

Título igual ao post da foto no Instagram.

Mais um mês que eu ganho o certificado de "Profissional Excelente."
E por mais que eu já tenha esclarecido, eu trabalho na célula de "Ativo.
Não pessoas, eu não ligo pra ninguém. Me trabalho atualmente é tudo via e mail.
Vez ou outra  eu ligo, mas não é obrigatório. 

Há um tempo atrás, meu chefe me chamou pra conversar. 
A conversa foi exclusivamente profissional.
E em um momento da conversa ele me diz:
"Rachel, vc é foda! Vc é sensacional! Trabalha bem, ó ainda não está no cargo que quer, pq não quer."

Explico.
Eu entrei na empresa com o pensamento de que seria meu ultimo emprego.
Já tenho 35 anos, não tenho faculdade e meu inglês é beeeeeeemmmm razoável.
( Ouço a voz da minha amiga Karina: CARALHO MANO, VC FALA INGLÊS!)
Sim pq em ambas as situações eu não acho que seja foda. 

Fiz o curso de Inglês, e no ultimo módulo, por um motivo que não vou citar, até mesmo pq esse não é o motivo do post, eu parei.

Já o "SER FODA!" eu não sei se mereço isso, ou que realmente seja.
Como todo ser humano, eu erro. E muito.
Mas um dia eu quis isso. E está aí. 

E mais uma vez vem aquela pergunta: Mas... E  o que eu quero de todo o coração?
Não tem nada a ver com o narigudo. 
Só não posto ou falo abertamente, pq tenho um certo medo de virar chacota. Como sempre foi.
Não acredito que seja ruim pra mim. Acho que me faria um pouco mais feliz.

E por falar nisso... Hoje eu fiquei n=bem feliz com as noticias que recebi e m arrependi do desespero do final de semana. 

Ahhh o porque desse post assim, em seguida do outro?
É isso. Com a foto vcs vão entender . 


Quarto certificado de Profissional Excelente. E aí, será que realmente eu mereço? 



22 de mai de 2016

O ter e não ter pessoas. ( Das antigas, mas é tão atual...)

Tenho amigos, tenho colegas.  Alguns se tornaram amigos, outros, colegas.
Todos eu pude chorar nos ombros quando precisei, e olha, precisei várias vezes, e me fazendo presente quando precisaram.

Mas hoje, ao passar pelos mesmos, mal sai um oi. É estranho, desconfortável, intrigante. Acho que jamais vou entender este fato.

Ter tido alguém intensamente, dividir aventuras, segredos, explodir as cabeças juntos, para depois ver nitidamente um enorme abismo que divide os mundos que por algum tempo foram “vizinhos”, ocasionando um comportamento: 
“TE COMI E NÃO QUERO MAIS OLHAR NA SUA CARA.”
Detalhe: Eu não dei para nenhum deles.

Apenas uma carência curada, um momento. Talvez um sentimento de vergonha (por ter se mostrado frágeis.) os impede de olhar na minha cara, sendo só o álcool (GRANDE AMIGO?) o propulsor de conversas de bar, elevador, carro na rua.

PUTA MERDA...Seriam pessoas descartáveis? (ou a descartável sou eu?)
Somos bons enquanto convenientes para as pessoas, e assim, que surge outra ocasião, somos substituídos?

Ahhhh somos bons enquanto “cabemos” nos planos de balada, dividir a conta do aniversário para não ficar pesado para um ou outro, e assim que isso cansar,  pronto, acabou fim da linha.

E QUE SE FODA AS 12 HORAS DE CONVERSA, QUE SE EXPLODA TODO O CARINHO E CONFIANÇA.

Será que antes poderia chegar nestas pessoas e falar sobre isso, mas não as tenho mais. E agora?Não as tenho mais, somos apenas pares de olhos que se cruzam eventualmente, friamente e muito, mas muito distante, combina sempre com um sorriso educado:

“E AÍ QUER CERVEJA?”
“PUT´S, OBRIGADA, MAS EU NÃO BEBO, ESQUECEU???”